Feed on
Posts
Comments

Dicionario_Humor_Verbetes

Eis aqui os principais conceitos que tenho desenvolvido.

  • Ambiente Cognitivo Analógico – todos os que vieram antes do Digital – 17/06/14, a partir deste post; 
  • Ambiente Cognitivo – criado a partir do somatório de Tecnologia Cognitiva + Plástica Cerebral + Modelo Mental + Cultura + Organizações, que passam a ser compatíveis entre si – 17/06/14 (um termo que uso muito, mas só agora vi que não tinha definido);
  • Algoritmos de Colaboração de Massa ou Colaborativos – programas que permitem gerenciar grande massa de dados, avinda dos cliques e geração de conteúdo, via telas digitais – 09/05/14;
  • Ambiente de Pensamento – a capacidade de criação dos pensadores de criar Filosofias, Teorias e Metodologias e que forma a Cultura vigente e os modelos organizacionais – 18/08/14 – apareceu aqui;
  • Ambiente de Pensamento Analógico – produzido pré-Digital – 18/08/14 – apareceu aqui; 
  • Ambição Tóxica – quando a luta por poder, fama e dinheiro, sem nenhum significado mais coletivo, passa a ser a única meta de uma pessoa ou de uma dada sociedade – ver mais aqui 06/05/14;
  • Ambiente Tecno-cognitivo – conjunto de ações que ocorrem em um dado momento histórico, a partir do uso das tecnologias cognitivas em uso;
  • Ambiente Social ou Tecno-social – é o resultado prático de uma nova Tecno-Cultura, que inicia o processo de mudança das Organizações e principalmente das leis, através de Revoluções sociais, mais ou menos violentas – 16/06/14 – Apareceu aqui.
  • Ambiente Tecno-Cognitivo-Demográfico – ambiente social que estabelece a relação entre as tecnologias cognitivas e a demografia;
  • Angústia do Desconhecido – sentimento humano que demanda o conhecimento pela curiosidade que pode, ou não, se propor a resolver problemas práticos – em 14/07/14, apareceu aqui;
  • Angústia da Sobrevivência –  sentimento humano que demanda o conhecimento pela sobrevivência que se propõe resolver problemas práticos – em 14/07/14, apareceu aqui;
  • Anorexia Presencial – dificuldade de se comunicar presencialmente, fruto de um uso intenso de ferramentais de comunicação a distância – já uso muito o termo, mas só agora registro – 23/06/14 – (Apareceu aqui);
  • Antropologia Tecno-cognitiva – estudo das Revoluções Cognitivas no passado, fortemente influenciada pela filosofia tecno-cognitiva, tendo as rupturas nos ambientes cognitivos humanos (causas e consequências) como problema central;
  • Aparato tecno-cognitivo – conjunto de tecnologias cognitivas vigentes e hegemônicas em um dado momento histórico da sociedade humana;
  •  Aparato tecno-cognitivo analógico-escrito-eletrônico –   conjunto de tecnologias cognitivas marcadas pelo surgimento da prensa em 1450, passando pelas mídias de massa até a chegada das tecnologias cognitivas digitais, principalmente a Internet;
  • Aparato tecno-cognitivo digital – conjunto de tecnologias cognitivas marcadas pelo surgimento da Internet, a partir do final do século passado;
  • Assuntologia – estudo e ação baseado em assuntos e não mais em problemas, que aumenta consideravelmente nas contrações cognitivas;
  • As três leis da complexidade da governança – quanto mais complexo for a demanda, mais complexa terá que ser a oferta; Haverá a necessidade de reintermediar o processo, tirando intermediários. Quando isso ocorre em massa, em função da chegada de novas tecnologias cognitivas, estamos diante de um fenômeno de mutação da governança de toda a espécie;
  • Camadas da Complexidade – níveis de pensamento que nos permitem ver consequências de curto, médio e longo prazo mais aqui, em 28/07/14;
  • Capacete cognitivo – um termo mais popular que ajuda a demonstrar que o cérebro da nossa espécie usa ferramentas para poder trabalhar, geralmente coloco aspas – Vai ver aparecer aqui – 09/06/14;
  • Carteira de Inovação – planejamento de ações para promover mudanças nas organizações no curto, médio e longo prazo;
  • Carteira de Inovação Disruptiva – que prevê além da inovação incremental a inovação radical, ou disruptiva;
  • Carteira de Inovação Disruptiva Digital – que prevê além da inovação incremental e disruptiva, ações digitais para a migração para a nova Governança da Espécie;
    Certificadores da verdade
    – agentes com poder nas organizações de construir as verdades/ideias circulantes na sociedade (detalhei aqui);
  • Ciclo da chegada de novas tecnologias na sociedade – identifiquei: latência, barreira, superação e adaptação cultural;
  • Ciência Analógica – que é feita com métodos, práticas e Modelo Mental Analógico – 17/06/14, surgiu aqui;
  • Ciências da Curiosidade – voltada para a redução do desconhecido, dedicada a fenômenos – em 14/07/14 – surgiu aqui;
  • Ciências da Sobrevivência – voltada para a solução da sobrevivência, dedicada à problema – em 14/07/14surgiu aqui;
  • Ciência Ninja ou Ciência 3.0 – forma de produzir conhecimento, através de intensa colaboração digital, através de karmas e rastros digitais;
  • Cientista Social – aquele que procura forças e seus contextos, visando reduzir, através de metodologias, sofrimentos humanos (ver detalhamento aqui);
  • Circuito de produção do conhecimento – Impressão, Reflexão, Expressão e Feed-back – (Ver mais aqui05/05/14;
  • Coaching Orgânico – um processo de descoberta da pessoa de valores mais significativos, que fogem da Ambição Tóxica na sociedade que é a procura sem refletir por poder, fama e dinheiro – (ver mais aqui) 06/05/14;
  • Códigos de Tomada de Decisão – tecnologias disponíveis, que permitem melhorias incrementais ou radicais na Governança da Espécie, tais como: a fala, a escrita e os algoritmos (já na Governança Digital);
  • Colaboração – ato de trabalhar junto. Não há diferença, assim, entre colaborar e trabalhar, pois a espécie humana não consegue produzir nada isoladamente;
  • Colaboração digital – uso das novas tecnologias cognitivas digitais para produção de produtos e serviços;
  • Colaboração Matemática – começo, a partir do aprofundamento da história do computador a ver a importância da linguagem matemática para a história humana e a junção desta na Antropologia Cognitiva, 23/06/14, aparece aqui;
  • Colaboracionismo – novo sistema econômico e político baseado na Colaboração de Massa, que vem substituir o capitalismo/república, base da nova Governança da Espécie (ver definição aqui. Criado em 22/04/2014)
  • Colapso de Governança – quando há um limite tecnológico para que a governança possa ganhar em qualidade, sem o aumento do seu custo;
  • Complexidade Demográfica – quanto mais habitantes tivermos no planeta, mais complexa deve ser a governança da espécie a e as tecnologias cognitivas que a suportam, 07/07/14, detalhada aqui. Já usava a mais tempo, mas detalhei melhor neste dia;
  • Complexidade Móvel (passei a chamar também de líquida) – Diga-me a complexidade demográfica que temos e te direi o homo sapiens que fabricaremos – 26/07/14, veja aqui. Líquida foi em 16/08/14, neste post.
  • Comunicação Algorítmica Colaborativa ou Comunicação Matemática – só possível dentro de Plataformas Digitais Colaborativas, que produzam registros dos usuários de forma voluntária e involuntária gerenciados por algoritmos, que geram relevância e valor  – ver mais aqui 08/05/14 – Comunicação Matemática, ver aqui;
  • Conservadorismo cognitivo – estratégias voltadas a tirar e manter o máximo possível o ambiente cognitivo pré-revolução cognitiva digital, que atinge organizações de todo o tipo, sejam públicas ou privadas;
  • Confiança digital – nova forma de se confiar nas trocas, através dos rastros e karma digital- ver mais aquiem 10/06/14;
  • Conjuntura cognitiva – ambiente cognitivo em que se está vivendo que define limites e possibilidades de criação e recriação da cultura, organizações, etc, usando de novo hoje, 30/06/14, pode ver aqui. Conjuntura Tecno-Demográfica
  • Conjuntura Demográfica – tamanho da espécie que define a Complexidade Demográfica que estamos operando – 30/06/14, ver aqui. Uso também Conjuntura Tecno-Demográfica.
  • Contração cognitiva – longo movimento de concentração de ideias da espécie humana, a partir das tecnologias cognitivas disponíveis. Uso de vez em quanto a expressão Entropia cognitiva com a mesma intenção;
  • Cosmovisão – conjunto de ideias e princípios culturais de uma corrente de pensamento da sociedade. Há dois tipos de cosmovisões: (de sobrevivência) as políticas e econômicas e (de transcendência) as religiosas (ver mais aqui);
  • Crise da governança – incapacidade de quem está no topo da Pirâmide do Poder de lidar com a complexidade da vez – 14/07/14, aparece aqui;
  • Cultura Teórica Hegemônica – aquela que é possível de ser produzida por um dado Modelo Mental, mas é impossível de ser feita ou questionar alguns parâmetros, que só poderão ser feitos por um Modelo Mental mais sofisticado – 16/06/14, apareceu aqui;
  • Cultura 3.2 – aquela produzida pelo Homo Sapiens 3.2, 23/06/14,m ver mais aqui;
  • Custo de Governança – valor envolvido para a tomada de decisão que consiga melhora a sua qualidade para os diretamente envolvidos e a sociedade (ver mais detalhes do verbete aqui);
  • DNA da Governança – Relacionamento, Aprendizado, Troca, Tomada de Decisão e Produção de Ideias (ver mais aqui);
  • Diálogo Honesto – espaço de conversar entre pessoas dispostas a reduzir sofrimento a partir de minimização ou solução de um dado problema – já usava este conceito faz tempo, mas resolvi oficializar só hoje, 26/06/14, ver mais aqui;
  • Didática reversa – base para montar cursos participativos, que parte da dificuldade dos alunos para a estruturação dos módulos – (Ver mais aqui)28/04/14.
  • Ditadura cognitiva – período de forte concentração das mídias, em função dos limites tecnológicos e o uso político/econômico das mesmas. Se caracteriza pela verticalização da comunicação, reduzindo a troca horizontal, gerando macros distúrbios afetivos-cognitivos (Ver detalhes aqui);
  • Ditadura cognitiva analógica-eletrônica – ditadura ocorrida na espécie, principalmente no século XX com a criação da mídia de massa (jornais de grande circulação, rádio e televisão), atingindo de forma diferenciada cada região do planeta;
  • Diversidade de Decisões – capacidade de se tomar decisões com mais gente, atrelada a ideia de que isso pode ser feito com menor custo e sem perda de tempo, 17/11/14, apareceu aqui;
  • Economia da Reputação – ambiente de trocas que incorpora a reputação a produtos, serviços, fornecedores e colaboradores, através do Karma Digital – em 20/08/11, ver mais aqui;
  • Ego digital – uma nova subjetividade provocada pela Revolução Cognitiva Digital, que nos tira do isolamento provocado pela contração cognitiva. A expansão cognitiva provoca questionamento na direção de um ego mais aberto, mais interativo, mais ético, que facilita o novo ambiente de interação;
  • Ego monocentrista – com distúrbios provocados por uma Ditadura Cognitiva. Fechado, pouco ético ou aberto à interação;
  • Empreendedor ou empreendedorismo orgânico – pessoas ou projetos que visam levar ao mercado novos conceitos;
  • Entropia cognitiva – processo de inflexão, na qual as organizações ganham poder além do limite, em função do aumento de complexidade demográfica, reduzindo o espaço para a sociedade se expressar – em 05/08/14, ver aqui;
  • Escola de Toronto – grupo de pesquisadores, que se dedicou ao estudo das Revoluções Cognitivas no passado, sendo o McLuhan o mais conhecido no passado e Pierre Lévy, no presente (Lévy não se considera pertencente a esta escola, mas eu sim);
  • Espiral Cognitivo – movimento circular para cima, em outro patamar, a partir da chegada de novas Tecnologias Cognitivas, que nos levam a uma nova Governança da Espécie – ver mais aqui 08/04/13, refeito em 09/05/14; 
  • Equação cognitiva – relação dialética entre confiança/governança/troca/ambiente cognitivo. Quando mudamos as tecnologias cognitivas os outros elementos mudam;
  • Estratégia Dedutiva – que parte de latências ainda invisíveis de longo prazo – em 11/09/14;
  • Estratégia Indutiva – que parte de fatos e tendências já visíveis, curto prazo – em 11/09/14;
  • Estrategistas de Longo Prazo – profissional que se dedica aos cenários futuros e a inclusão de projetos estratégicos nos Laboratórios Estratégicos de Inovação;
  • Exosfera Social – mudanças que acontecem, a partir da introdução de Tecnologias Cognitivas, que mudam a forma do ser humano de produzir ideias e, por sua vez, modificam profundamente à sociedade. O termo Exosfera se justifica por ser algo que está acima da possibilidade de intervenção humana, pois acontece de forma massiva e definitiva – – em 11/09/14; – ver onde surgiu aqui;
  • Expansão cognitiva – movimento de expansão de ideias da espécie, a partir das tecnologias cognitivas disponíveis, movimento que surge depois do fim de Ditaduras Cognitivas, o que provoca primaveras cognitivas, tais como o período de ouro da Grécia, depois do alfabeto, ou o renascimento pós Idade Média e o monopólio da escrita manuscrita. Ou como agora pós-Internet;
  • Fator Custo/benefício diante das avaliações digitais – O critério de valor tempo/dinheiro/risco que o usuário dá para esse novo modelo de avaliação pelos pares. Isso vai depender da urgência, valores envolvidos e risco para a sua integridade. Quanto mais rápida for a urgência, menos investimento e menos risco, menos ele vai ligar para os critérios de avaliação de outros usuários e vice-versa;
  • Filosofia da filosofia – área nobre da filosofia que lida com as questões centrais do ser humano (quem somos, o que podemos fazer, o que nos limita e nos potencializa?) áreas que condicionam outras áreas da filosofia e por sua vez de todo o triângulo do conhecimento;
  • Filosofia tecno-cognitiva – novo campo de estudo da filosofia que propõe como  visão principal: somos uma tecno-espécie, fortemente influenciados pelas mudanças tecnológicas, principalmente pela massificação de novas tecnologias cognitivas mais horizontais e intermediadoras, que alteram a governança da espécie em todo planeta, de forma diferenciada, conforme cada caso. O que ela sugere é que são as tecnologias que criam os limites da governança e as condicionam em várias instâncias e não o contrário;
  • Força Relevante para Mudança da Governança – determinada força que se inicia em dado ambiente e que tem o poder de mudar a Governança que vem sendo exercida (ver o verbete mais detalhado aqui);
  • Governança – é a maneira que tomamos decisões para resolver problemas;
  • Governança da espécie – pressuposto de que há uma governança de toda a espécie condicionada pelos ambientes tecno-cognitivos, atingindo cada região de forma distintas, mas com características similares;
  • Governança de Alta Qualidade – quando as decisões são tomadas no médio e longo prazo e visando aqueles que se beneficiarão mais diretamente, mas incluindo as consequências sociais a um primeiro plano;
  • Governança de Baixa Qualidade – quando as decisões são tomadas no curto prazo e visando apenas aqueles que se beneficiarão mais diretamente, relegando as consequências sociais a um segundo plano;
  • Governança analógica de baixa colaboração – modelo de governança marcado pelo ambiente cognitivo formado pela mídia impressa e de massa, com forte verticalização;
  • Governança Analógica – (Mudei, Ver Governança Oral-Escrita – Escrita Analógica); Acho que o termo analógica é mais simples. Que abarca as outras duas a Oral e a Escrita – 28/05/14
  • Governança digital colaborativa ou Governança Digital– surge com a chegada da Internet, no final do século passado, a partir do uso intenso de redes sociais digitais, mais baseada no modelo de comunicação dos insetos (via rastros e Karma digital) e menos dos mamíferos (com lideranças muito mais demarcadas). A Governança Digital permite, em função das novas possibilidades, estabelecer trocas mais efetivas entre estranhos, criando um novo ambiente de confiança na espécie, melhorei hoje, 30/06/14.
  • Governança Oral-Escrita – baseada nos Tecno-códigos da palavra oral e escrita, criada a partir da chegada da escrita há 10 mil anos e que moldou a nossa sociedade até a chegada do Digital e o Tecno-código Algorítmico;
  • Guinada Cognitiva – momento de pico de uma Expansão Cognitiva, dentro do movimento do Pêndulo Cognitivo, em que há uma mudança incremental ou radical da Governança da Espécie;
  • Hierarquia Flexível – capacidade das redes se adaptar aos diferentes níveis de relevância de cada ponto para torná-la cada vez mais eficaz – ver mais aqui – 07/05/14;
  • Hiper controlismo – excesso de controle das ideias em uma contração/ditadura cognitiva;
  • Hipnose Tóxica – quando a Taxa de Subjetividade atinge um nível muito baixa em uma pessoa ou na sociedade. em função do aumento continuado da baixa Taxa de Concentração de Poder – ver mais aqui 06/05/14; 
  • Homo Sapiens 3.2 – aquele que já opera no ambiente digital colaborativo, fiz um bom desenho sobre isso aqui, registro no dia 23/06/14;
  • Imaturidade Cognitiva – incapacidade da sociedade a pensar no longo prazo, devido às consequências da Contração Cognitiva, mais aqui, em 28/07/14;
  • Inovação – atividade humana inerente da espécie (não foi inventada agora) de procurar agir diferente diante de problemas, a partir de novas demandas ou mudanças de cenário;
  • Inovação incremental – inovação diante de processos, produtos e serviços visíveis e já existentes;Inovação radical – inovação diante de processos, produtos e serviços ainda não existentes;
  • Inovação radical digital colaborativa – inovação que experimenta em uma dada organização o novo modelo de governança da espécie;
  • Inovadores tecnológicos – os que inventam novas tecnologias;
  • Inovadores tecno-sociais – os que potencializam o uso das tecnologias se aproveitando das Zonas de Liberação Tecnológica que abrem;
  • Inversão cognitiva digital – fenômeno que altera a forma de publicação na Internet. Antes, se organizava para publicar, hoje se publica para organizar, com o apoio de quem consome. Conceito inspirado em Clay Shirky;
  • Isolamento Decisório – quando há uma baixa qualidade da Governança, sem novas tecnologias cognitivas e em que as decisões são mais e mais tomadas por menos gente (Ver Colapso de Governança);
  • Jogo do pode-não-pode tecnológico – movimentos de liberação de ações que antes não podiam ser feita e agora passam, em função da chegada de novas tecnologias – vide termo Zona de Liberação Tecnológica;
  • Karma digital – o histórico disponível na rede digital, a partir dos rastros, que permite se informar sobre determinada pessoa, serviço ou produto, objeto de informação, a partir do que foi deixado por outras pessoas;
  • Kloutinização – ampliar os rastros digitais para criar a reputação de massa – Ver mais aqui – 22/08/14;
  •  Laboratório de Migração Cognitiva (uso também conforme demanda e cliente Estratégico de Inovação/Laboratório de Inovação Digital Colaborativo) – responsável por coordenar e promover a migração da Governança Analógica para a Digital – 28/05/14 – detalhei neste dia melhor esse conceito, incluindo o Cognitiva e unificando todos;
  • Laboratório Teórico – espaço em que um teórico trabalha, dividindo a bancada em três campos: filosofia, teoria e metodologia – 28/05/14 – ver mais aqui;
  • Latência tecnológica cognitiva – movimento que ocorre de forma subjetiva antes da chegada de uma Revolução Cognitiva, provocada pela incompatibilidade do tamanho da população e o modelo da governança, que é regido pelo ambiente cognitivo de plantão;
  • Liderança Digital – responsáveis por gerenciar grandes Plataformas Digitais Colaborativas para que se possa tomar decisões com mais diversidade a baixo custo, criado em 30/06/14. 
  • Macro-canalização cognitiva – movimento de expansão cognitiva que permite que mais gente tenhas canais de expressão, em função das redução de custo do uso de novas tecnologias cognitivas reintermediadoras;
  • Macro-desequilíbrio cognitivo-afetivo – quando o aumento populacional não é acompanhado com mudanças das tecnologias cognitivas, criando impasses para a governança da espécie;
  • Macro-distúrbios (ou transtorno) cognitivos-afetivos massivos – efeito nas pessoas/sociedades ao final do um longo período de contração/ditadura cognitiva – (ver mais aquiatualizado em 26/05/14;
  • Macro-Era Civilizatória – fases da civilização marcadas pelas Tecnologias Cognitivas – Ver mais aqui – 09/06/14;
  • Médio-Era – sub-divisões das Macro-eras marcadas pelas Tecnologias Cognitivas – Ver mais aqui – 09/06/14;
  • Maturidade Cognitiva – maior capacidade da sociedade a pensar no longo prazo, devido às consequências da Expansão Cognitiva, mais aqui, em 28/07/14;
  • Micro-Era Civilizatória – sub-divisões das Médio-eras marcadas pelas Tecnologias Cognitivas – Ver mais aqui – 09/06/14;
  • Macro-história cognitiva – estudo histórico baseado nas rupturas dos aparatos cognitivos, ou seja, mudanças radicais nas tecnologias cognitivas;
  • Macro-latência cognitiva – sentimento difuso da espécie em querer romper barreiras que as tecnologias cognitivas correntes não permitem;
  • Meio de Comunicação de Missa – a defesa de que o altar exerceu na idade média o mesmo peso que a televisão no século passado, que Luli chamou de Idade Mídia – (Ver mais aqui) – 28/04/14;
  • Mentoria Orgânica – um processo de aconselhamento mais focado para projetos com  valores mais significativos, que fogem da Ambição Tóxica na sociedade que é a procura sem refletir por poder, fama e dinheiro – (ver mais aqui) 06/05/14;
  • Mentalidade Cognitiva – maneira que o cérebro passa a realizar seus movimentos já alterados, a partir de novas Tecnologias que chegam – 09/06/14;
  • Meritocracia de massa – capacidade de permitir que a colaboração, via ferramentais digitais, permita qualificar pessoas, produtos ou serviços;
  • Meteorologia Social – capacidade de prever movimentos de massa, a partir da análise dos Rastros Digitais – criado em 17/04/14 (ver mais aqui.)
  • Mídias Participativas – uma formas menos científica de chamar as Plataformas Digitais Colaborativas, de forma genérica. O participativa significa, no fundo, mais participativa, pois toda a mídia tem uma taxa de participação, alta ou baixa – em 10/06/14;
  • Migração de governança – movimento consciente de uma dada organização ou sociedade da passagem de uma governança da espécie para outra;
  • Modelo Mental – a forma que o cérebro se adapta, de forma autônoma, ao Tecno-código disponível (ver mais aqui.) Ver ainda Plástica Cerebral Hegemônica; (criado em 17/04/14) (comecei a chamar agora – 23/06/14 de Modelo Cognitivo também)
  • Modelo Mental Estruturante – é aquele que definimos como o básico e diretamente influenciado pela Plástica Cerebral, 17//6/14, citado pela primeira vez aqui;
  • Modelo Mental Secundário – é aquele que marca outras características da pessoa, tal como gênero, idade, formação, região em que vive, etc, 17/6/14, citado pela primeira vez aqui;
  • Modelo mental consciente – o lado de dentro que é permitido intuir determinadas sensações e construir pensamentos mais inteligíveis, que chamei de Ambiente de Pensamento – 18/08/14apareceu aqui;
  • Modelo mental inconsciente – o lado de fora que vem dos inputs da Plástica Cerebral que leva sensações a serem intuídas para construir o Ambiente de Pensamento – 18/08/14 – apareceu aqui;
  • Modelo Mental Analógico – o que veio antes do Digital, que é a junção do Oral, Escrito, Eletrônico – 17/06/14, referência do post;
  • Modelo Mental Digital – compatível com o Tecno-Código Digital que incorpora todos os outros em um somatório; (criado em 17/04/14)
  • Moléculas CognitivasUnidade menor no qual um registro de ideias se utiliza para ser armazenado e se propagar – referência do áudio – aparece em 31/07/14;  
  • Mutação cognitiva da espécie – mudança no ser humano que ocorre, a partir da massificação das tecnologias cognitivas reintermediadoras, que mudam inicialmente a plástica cerebral e esta o mundo futuro;
  • Narcisismo organizacional – distúrbio organizacional provocado pela contração cognitiva, tornando as organizações fechadas para elas mesmas, com alta taxa de abuso de interesses sobre a sociedade, em função da co-relação desequilibrada de poder ver ainda perversão organizacional;
  • Narrativa teórica – discurso teórico que procura alinhar conceitos e se expressar para um número maior de pessoas – 28/05/14, ver mais aqui;
  • Nova Ordem Cognitiva – capaz de lidar com mais eficácia com a complexidade demográfica da vez – 14/07/14, aparece aqui;
  • Oralidade Descentralizada Racional a Distância – uma nova forma de disseminação da oralidade trazida pela Internet – (ver mais aqui20/05/14;
  • Paradigma Cognitivo – um determinado momento da sociedade em que tudo é regido por determinadas Tecnologias Cognitivas. Lévy chamou isso de Eras Cognitivas, em 14/07/14, aparece aqui;
  • Paradigma Mental – um conjunto de Ambientes de Pensamento formado por um dado Modelo Mental, que se modifica após uma Revolução Cognitiva, tudo que se faz depois de lá é algo bem diferente do modelo anterior, pois a Plástica Cerebral e o Modelo Mental é outro – 18/08/14 – apareceu aqui;
  • Participacionismo – uma procura de encontrar o nome para o pós-capitalismo, em que a tônica é o aumento de participação no tripé da ambição humana: fama, poder e dinheiro – ver mais aqui06/05/14;
  • Patamar de princípios – conforme a espécie desenvolve novas ferramentas de comunicação e se espalha o conhecimento pela sociedade, algumas práticas de princípio que eram aceitas, deixam de poder, como é o caso da escravidão –  ver mais aqui – 25/07/14;
  • Pêndulo cognitivo – movimento de expansão e contração das ideias ao longo do tempo, modelado pela possibilidade oferecidas pelas tecnologias cognitivas intermediadoras ou reintermediadoras (aquelas que expandem nosso cérebro e capacidade de troca);
  • Pêndulo Cognitivo incremental – mudanças de contração, expansão e guinadas cognitivas, a partir do uso dos mesmos códigos de relacionamento e tomada de decisão;
  • Pêndulo Cognitivo Radical – mudanças de Governança da Espécie, a partir do uso de novos códigos de relacionamento e tomada de decisão;
  • Pensamento Analógico – produzido pelo Modelo Mental Analógico, 17/06/14, surgiu aqui;
  • Pensamento Digital – produzido pelo Modelo Mental Digital, 17/06/14surgiu aqui;
  • Perversão organizacional – consequência de um excesso de controle das organizações sobre a sociedade, que se voltam cada vez mais para seus interesses, ver ainda narcisismo organizacional;
  • Pirâmide do Poder – quem está no topo é quem tem mais capacidade de lidar com a complexidade da vez – 14/07/14, aparece aqui;
  • Plástica Cerebral – movimento autônomo do cérebro, que aqui é muito utilizado pelas mudanças provocadas por Tecnologias Cognitivas. Senti necessidade de detalhar esse conceito hoje 16/06/14 neste post, já que estou repetindo-o bastante;
  • Plástica Cerebral Hegemônica – é como o Modelo Mental altera o cérebro, ver Modelo Mental; (criado em 17/04/14)
  • Plataformas digitais colaborativas – ambientes tecnológicos que permitem a prática da Colaboração de Massa;
  • Plataforma Digital Colaborativa de produtos tangíveis  – que são voltadas para a venda/distribuição de produtos e serviços tangíveis, que visa lucro, ou não – 01/05/14;
  • Plataforma Digital Colaborativa de produtos intangíveis  – que são voltadas para a venda/distribuição de produtos e serviços intangíveis, que visa lucro, ou não  – 01/05/14;
  • Plataforma Digital Colaborativa de Circulação de Ideias– que são voltadas para a venda/distribuição de ideias –  01/05/14;
  • Primavera cognitiva – período pós-ditadura de expansão das ideias, fortemente marcada pela construção de novo modelo do governança da espécie. Aumento vertiginoso da taxa de inovação da espécie;
  • Problemologia – estudo e ação baseado em problemas e não mais em assuntos, que aumenta consideravelmente nas expansões cognitivas;
  • Processamento de subjetividades – capacidade de conhecer mais fundo a demanda das pessoas, através de Tecnologias Cognitivas, que foi aumentado agora com a chegada da Internet e da Colaboração de Massa, 25/08/14, apareceu aqui;
  • Qualidades das verdade – quanto menos interação, mais a verdade tem baixa qualidade e vice-versa. Contrações cognitivas provocam verdades de baixa qualidade e expansões, o inverso;
  • Rastros digitais – tudo que é guardados nos computadores e utilizado por outras pessoas para tomada de decisão (comentários, estrelas, curtir, etc). Há os voluntários (produção de conteúdo) e os involuntários (cliques); (atualizado em 17/04/14);
  • Redes sociais – redes humanas, mediadas por tecnologias cognitivas;
  • Redes sociais digitais – redes humanas medidas por tecnologias cognitivas digitais;
  • Reputação Algorítmica ou Reputação de Massa – possibilidade que a Colaboração de Massa propicia para avaliar ações dos agentes sociais, através do uso de Tecnologias Cognitivas Digitais – em 22/08/14;.
  • Reputacionismo – o mesmo que Kloutinização, em 22/08/14;
  • Restauradores Filosóficos pós-ditaduras cognitivas – filósofos que surgem para reconstruir métodos de pensamento, como Descartes, pois Idade Média ou Morin, pós Idade Mídia – ver mais aqui 02/06/14;
  • Revolta Tecno-cognitiva – uma Revolução Cognitiva em menor escala que não muda de foram radical a Governança da Espécie, mas apenas a atualiza incrementalmente. Ex. alfabeto, papel impresso – ver verbete sobre Revolução Cognitiva;
  • Revolução Cognitiva da Escrita – a partir de 10 mil anos, com diferentes fases (Ver mais aqui) – 25/04/14.
  • Revolta Tecno-cognitiva do Papel Impresso – a partir de 1450 na Alemanha, que quebrou as barreiras tecnológicas e permitiram que os inovadores formulassem os conceitos de república e capitalismo – ver verbete sobre Revolta Cognitiva;
  • Revolução Tecno-cognitiva – surgimento e massificação de novas tecnologias cognitivas reintermediadoras, que permitem um aumento da Taxa de Horizontalização da Circulação de Ideias, mudando de forma radical a Governança da Espécie. Ex: linguagem, escrita e computador – ver verbete sobre Revolta Cognitiva;
  • Revolução Tecno-cognitiva Digital – massificação da Internet, principalmente, depois da chegada da banda larga, que expandiu o uso dos rastros e karma digital;
  • Sofrimentologia – bandeira ética de colocar ao sofrimento humano como o fator principal para guiar as ações em todas as áreas – 30/06/14, criado aqui;
  • Sombras Cognitivas – são fatos que ficam sem a possibilidade de registros, devido à limitação dos Tecno-códigos de plantão, que variam conforme o movimento do Pêndulo Cognitivo, que nos leva à Expansão ou Contração Cognitiva. (ver mais aqui.); (criado em 17/04/14)
  • Surto de inovação – fenômeno que ocorre com o aumento radical da Taxa de Canalização Humana, uma das consequências de uma Revolução Cognitiva;
  • Taxa de Canalização Humana – aumento radical de canais de fora das organizações, ver também verbete Taxa de Circulação Horizontal de Ideias;
  • Taxa de Circulação Horizontal de Ideias – aumento vertiginoso de ideias circulando de fora das organizações na e pela sociedade ver também verbete Taxa de Canalização Humana;
  • Taxa de Controle Cognitivo – a capacidade das organizações de plantão conseguirem controlar as ideias, a partir do conhecimento do uso das Tecnologias Cognitivas disponíveis;
  • Taxa de concentração de poder – que pode ser medido por concentração de dinheiro, fama e redução ou aumento da diversidade da tomada de decisões – ver mais aqui – 06/05/14;
  • Taxa de Disrupção – quanto mais radical for a mudança (comparação do que é feito hoje com o que está se propondo a fazer) mais a taxa de disrupção vai subir – 30/04/14;
  • Taxa de Ganância – há uma relação entre o aumento da taxa de ganância e a contração cognitiva ou a expansão – ver mais aqui – 28/04/2014;
  • Taxa de Impacto da Revolução Digital – setores mais ou menos impactados no curto e médio prazo com a massificação das tecnologias cognitivas reintermediadoras;
  • Taxas da Mutação da Espécie – quanto mais houver descontrole cognitivo, via novas tecnologias, mais a espécie aumenta sua taxa de mutação;
  • Taxa de Negociação da Inovação – o esforço que tem que ser feito para convencer e implantar um dado projeto inovador – (Ver mais aqui) 30/04/14;
  • Taxa de participação – formada por desejo, custo de participação e mudanças a partir da participação, detalhada aqui, em 24/06/14;
  • Taxa de Resistência à Inovação – quanto mais disruptiva for a inovação, mais a taxa de resistência tende a subir – 30/04/14;
  • Taxa de subjetividade – aumentou ou redução do espaço interno de cada um de refletir e colocar em prática algo diferente do que lhe passaram – ver mais aqui 06/05/14;
  • Tecno-códigos  – ferramentas tecnológicas, que permitem uma melhoria de relacionamento entre a espécie, a destacar a nível macro (oral, escrita e digital) e a nível micro (escrita cuneiforme, alfabética, manuscrita, impressa, algoritmos.) (ver mais aqui)
  • Tecno-código Digital ou Algorítmico – viável, a partir das Tecnologias Cognitivas Digitais (Ver mais aqui);
  • Tecno-ecologia – ambiente em que vivemos, podemos chamar de tecno-cultura, que é regulado pelas Tecnologias Cognitivas disponíveis – ver mais aqui – 30/06/14, não foi criado nesta data, mas foi quando anotei a data;
  • Tecno-espécie – definição da espécie humana como co-dependente das tecnologias, o que nos diferencia fortemente dos outros animais;
  • Teorias participativas – forma de produzir teorias, através da Cultura 3.2, 23/06/14, apareceu aqui;
  • Impasses  Civilizatórios Tecno-cognitivos – quando determinadas crises não são resolvidas pela falta de novas Tecnologias Cognitivas, que nos permitem expandir o cérebro e criar novas formas de troca de ideias e bens entre a espécie – surge aqui –  em 09/06/14;
  • Tecno-organizações – provocação para demonstrar que toda organização é moldada pelos Tecno-códigos vigentes;
  • Tecnologias cognitivas – todas as tecnologias que têm a capacidade de expandir o nosso cérebro (linguagem, escrita, computadores, rádio, televisão);
  • Tecnologia Cognitiva Radical ou Disruptiva – que introduz um novo Código de Relacionamento e/ou Código de Tomada de Decisões;
  • Tecnologias Cognitivas intermediadoras – todas as tecnologias cognitivas que promovem, o aumento da taxa de verticalização da comunicação;
  • Tecnologias Cognitivas reintermediadoras  – todas as tecnologias cognitivas que promovem, o aumento da taxa de horizontalização da comunicação;
  • Tecno-ética – procurar usar as tecnologias para redução de sofrimentos humanos;
  • Tempos Cognitivos – diferentes uso de tecnologias cognitivas, que marcam a diferença como cada pessoa, país, região, organização, grupo de pessoas está usando novas tecnologias e lidando com a complexidade ambiental presente;
  • Teorizar – é o exercício intelectual, que visa criar leis provisórias que possam reorganizar fenômenos do passado e projetar futuros, através do estudo das forças e a relação entre elas dentro de diferentes contextos, descrito em 25/04/14.
  • Três tipos de tecnologia – cada uma com um potencial de provocar mutações na espécie, pela ordem de relevância: genética, cognitiva e as outras;
  • Três camadas cognitivas – as tecnologias cognitivas reintermediadoras não atingem a sociedade da mesma maneira, criando camadas diferentes na sociedade, a saber: excluídos, parcialmente incluídos e totalmente incluídos;
  • Triângulo do conhecimento – base para análise dos fenômenos sociais, baseado em três espaços distintos de análise: filosofia no topo (limites e potenciais humanos), teorias no meio (como as forças atuam na sociedade) e metodologias na base (como podemos criar métodos para agir diante das forças) (Ver mais aqui);
  • Triângulo do poder – a relação que se estabelece entre governança, controle da informação e tecnologias cognitivas, quando uma muda, todas mudam;
  • Triângulo Político: Igualdade, Sustentabilidade e Liberdade, em 16/07/14, ver mais aqui;
  • Tripé da ambição humana – poder, fama e dinheiro, que variam de taxa, conforme o Pêndulo Cognitivo, na contração sobe e na expansão descem – 05/05/14 – (Ver mais aqui);
  • Velha Ordem Cognitiva – incapaz de lidar com mais eficácia com a complexidade demográfica da vez, em contraponto à Nova Ordem Cognitiva – 14/07/14, aparece aqui;
  • Versões Cognitivas da Espécies Humana – parto do princípio que a Tecnologia Cognitiva usada define a versão da espécie humana, uso o termo pela primeira vez, aqui, em 26/06/14;
  • Virtual – não utilizo neste blog este conceito, de forma comum usado como sinônimo de digital ou a distância;
  • Zona de Liberação Tecnológica – momentos da espécie em que uma tecnologia libera determinadas ações que antes não podam ser feitas, ver detalhes aqui.

233 Responses to “Os principais conceitos do blog”

  1. […] códigos tecnológicos são aqueles que as Tecnologias Cognitivas se utilizam para transmitir nossos […]

  2. […] que estamos vivendo o fundo do poço do final da Contração Cognitiva do século passado, que criou um modelo de governança centralizado, espelhado nos ambientes de […]

  3. […] feira eu acordo motivado para continuar pensando e descobrindo coisas sobre o meu foco que é Revolução Cognitiva e tudo que acabou gerando em torno desse […]

  4. […] Ciência que assiste é uma Rede de Conhecimento que tem o objetivo melhorar a nossa percepção de uma dado […]

  5. […] O que percebo e que quando temos o aumento do número de habitantes do planeta e principalmente um salto quântico nesse número há uma tendência a concentração de ideias, através da disseminação de Tecnologias Cognitivas Centralizadoras. […]

  6. […] Um blog científico é a expressão tangível do que chamo de Conhecimento Líquido. […]

  7. […] 200 anos de 1 para 7 bilhões de pessoas. Sem o novo sistema econômico (assumido e gestado pela Revolução Cognitiva do Papel Impresso e consolidado em 1800) isso não seria […]

  8. […] a meu ver, é fruto da Ditadura Cognitiva que finda, de décadas de ideias concentradas.Família, escola, empresas, mídia nos ensinaram a […]

  9. […] (político e econômico), fugindo dos pêndulos inviáveis do século passado, limitados pelo Ambiente Cognitivo que […]

  10. […] Contração Cognitiva iremos padronizar narrativas, através do controle das […]

  11. […] sólida, pois lidam com instintos, que definem o tamanho da espécie, nós vivemos em uma Complexidade Líquida, pois temos que recriar o nosso habitat, conforme vamos aumentando o número de humanos no […]

  12. […] mercado, com a chegada da Colaboração de Massa fica menos emocional e ainda mais […]

  13. […] Existe algo completamente novo no cenário do século XXI, típico do novo Ambiente Cognitivo. […]

  14. […] sempre que vamos falar do momento atual entender a Conjuntura Cognitiva, se não não há como imaginar uma estratégia […]

  15. […] É a primeira vez que saltamos de 1 para 7 em todo o planeta em menos de 200 anos, graças a atual Governança da Espécie que entra em […]

  16. […] e não criamos instrumentos que permitissem que mais gente pudesse expressar a sua diversidade. As Tecnologias Cognitivas do novo século estão procurando resolver esse […]

  17. […] Matemática é aquela produzida pela materialização das trocas em Plataformas Digitais Colaborativas, tanto Rastros Voluntários e […]

  18. […] vem a Revolução Cognitiva, que é uma macro-tendência, que nos leva à tendência de modificar toda a sociedade, social, […]

  19. […] é difícil prever que há uma latência social por uma expansão radical desse modelo que chamo de Reputacionismo pela […]

  20. […] em função da Contração Cognitiva do século passado, as organizações estão intoxicadas pela Estratégia Indutiva, a […]

  21. […] parte integrante do modelo das novas organizações produtivas, que mudam o modelo passando de uma Governança Analógica, com líderes alfas bem marcados, via liderança mais sólida para um novo modelo de líderes mais […]

  22. […] só é possível quando criamos novos Ambientes Cognitivos, empoderados por novas Tecnologias […]

  23. […] – colaboração de massa, via algorítimos, que é o que chamo de Comunicação Matemática; […]

  24. […] só é possível quando criamos novos ambientes cognitivos, empoderados por novas tecnologias cognitivas. Neste momento, podemos começar a dar mais poderes […]

  25. […] Cosmovisão – conjunto de ideias e princípios culturais de uma corrente de pensamento da sociedade. Há dois tipos de cosmovisões: (de sobrevivência) as políticas e econômicas e (de transcendência) as religiosas (ver conceitos do blog aqui.) […]

  26. […] espécie humana vive movimentos que chamei de Pêndulos Cognitivos, que nos levam à concentração e descentralização de poder, em função das Tecnologias […]

  27. […] maior for a Complexidade Demográfica, mais sofisticada tecnologicamente terá que ser a Governança da Espécie – […]

Leave a Reply

WhatsApp chat