Fala-se muito em inovação, em conhecimento, em sair da caixa, desde que sejam os outros e não eu! – Nepô – neste post;

Versão 1.0 –16 de março de 2012
Rascunho - colabore na revisão.
Replicar: pode redistribuir, basta apenas citar o autor, colocar um link para o blog e avisar que novas versões podem ser vistas no atual link.

Muitas organizações, pessoas e instituições torcem a cara ao se pensar qualquer coisa que não seja o “como fazer”, “como aplicar”, “um passo a passo” para ir adiante, pois ninguém tem tempo para parar para pensar, mesmo que estejamos em plena, tão badalada, “sociedade do conhecimento”.

Ou seja, fala-se muito em inovação, em conhecimento, em sair da caixa, desde que sejam os outros e não eu!

Posso arriscar a dizer que qualquer atividade humana exige conceito.

E o que podemos falar de conceito é a capacidade de alinhar essas três vertentes.

Quanto mais conceito houver, mais alinhado estará esse tripé: filosofia, teoria e metodologia – mais uma organização vai gerar valor e enriquecer e vice-versa.

 

Muitas pessoas e organizações vivem o dia a dia sem se dar conta que estes três fatores não estão alinhados e, quando não estão, começam a perder valor no mercado.

Um diagnóstico desse tipo passa por uma análise de toda organização, dentro do espírito de revisão da gestão e dos resultados: qual é a filosofia vigente, qual a teoria e a metodologia (ou as metodologias) para que se possa fazer correções de rumo.

Vejamos.

Filosofia é o campo do estudo do para quê.

  • Para quê estamos vivos?
  • Para quê trabalhamos?
  • Para quê criamos uma organização?
Teoria é o campo de estudo do como funciona;
  • Qual são os fenômenos principais que afetam a vida da organização?
  • Quais são as forças que o regem?
  • Como elas atuam entre si?
  • Como variam a cada contexto?
  • Quais devemos destacar mais agora?
Metodologia é o campo de aplicação prática para alinhar filosofia com teoria:
  • O que deve ser feito para um alinhamento filosófico?
  • O que deve ser feito para um alinhamento teórico?
  • Ou seja, que ações precisam ser feitas para que se possa organizar as forças em movimento, conforme a filosofia escolhida e o que a teoria de plantão apontou como relevante?

Filosofia, portanto, é um campo que nos permite rever os conceitos mais básicos da organização e de onde estamos e para onde vamos. Os princípios que devem governar os projetos. A filosofia está acima da resposta “a empresa veio dar lucro”.

Porém, se ela veio ao mundo só para dar lucro e não prestar um serviço, logo o cliente vai perceber que ela está voltada para ela mesmo e procurar alguém que esteja mais dispostas a dialogar e a fazer um ambiente ganha-ganha.

Obviamente, que existem alguns artifícios para que organizações consigam estar no mercado e dar lucro, sobreviver, através de brechas, armações, proteção legal, deixando o cliente de lado.

Essa estratégia filosófica deve rezar para que os concorrentes façam o mesmo.

É da discussão filosófica, portanto, que as organizações tiram a sua missão no mundo e que deveriam fazer valê-la, através do uso das teorias e das metodologias que as tornem possíveis.

É da filosofia que saem os princípios inegociáveis e que marcam a vida de uma organização ao longo do tempo.

A filosofia parte de dentro para fora, de um propósito daquilo que se quer mudar na sociedade.

Já a teoria é o estudo de como o planeta, de fato, funciona e como é possível usar estas forças a favor dos propósitos da organização.
As teorias lidam, portanto, estudam as variáveis dos fenômenos com as quais uma organização precisa aprender a conviver. É das teorias que sairá a visão e a estratégia de para onde o mundo está indo e como devemos nos alinhar a ele, criando uma metodologia de gestão compatível, dentro dos princípios filosóficos tratados.
Precisam destacar as principais forças atuantes, seu tempo de duração, como se comportam em contato com outras e em como mudam em cada contexto.
Como já dizia Kurt Lewin:
“Não existe nada mais prático do que uma boa teoria”.

As teorias nos ajudam, assim,  a prever coisas, criar estratégicas e apontam para a necessidade de metodologias para que possamos agir de forma pró-ativa para nos anteciparmos a determinados problemas.

Se percebemos a tendência da desintermediação, por exemplo, na sociedade, a partir das variáveis na teoria, devemos ter uma metodologia consistente que nos permita criar desintermediação.

Por fim, as metodologias são resultados das filosofias e teorias escolhidas.

São pacotes de procedimentos que irão descer para toda a organização, que irão conter ou transmitir, ou traduzir os princípios filosóficos, as teorias de como se vê as mudanças futuras, através de normas, procedimentos e processos.

É das metodologias que nasce o que podemos chamar da gestão da organização.

As metodologias traçam um conjunto de ações para que as forças identificadas sejam trabalhadas de forma consciente e que se possa tirar resultados previsíveis para os objetivos traçados dentro da filosofia escolhida, do para quê fazemos as coisas.

Ou seja, deve se procurar um alinhamento entre a:

Filosofia -> Teoria -> Metodologia

No final de tudo, há que se haver medições dos resultados da metodologia escolhida para analisar se o que consideramos importante na filosofia adotada está sendo, de fato, implementado, através das variáveis vistas nas teorias.

  • A filosofia na organização é a missão;
  • As teorias são as ferramentas que guiam as estratégias;
  • E as metodologias são as ações, gestão que é feita para seguir o que é traçado.
Uma análise de uma organização deve rever como ela está lidando com estes três fatores e se estão alinhados para gerar valor.
Entende-se valor o reconhecimento do cliente e sua vontade de continuar se relacionando com a empresa cada vez mais, sendo o lucro resultado dessa relação positiva.
E não o contrário.
Quando um cliente percebe que a organização está alinhada e consegue resolver adequadamente o seu problema torna-se fiel.
Pode-se analisar diferentes organizações duradouras e de sucesso e veremos que a procura desse alinhamento é fator determinante para os resultados.
Podemos, por fim, criar uma taxa de alinhamento entre estes três fatores e analisar como anda e o quanto eficiente são para poder avaliar a saúde geral de uma organização.

Que dizes?