Feed on
Posts
Comments

O áudio do artigo

Os Mapas Mentais do Artigo:

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Um dos enigmas da inovação do novo século: Por que NENHUMA organização tradicional lidera o mercado digital?
  2. Mesmo que as soluções não estejam mais adequadas ao tipo de problema, insistimos em repeti-las.
  3. A tendência das pessoas é sempre encarar os problemas a partir das soluções que estamos acostumados.
  4. Não é, portanto, a solução que define o problema, mas o problema que define a solução.
  5. Um Disruptor não tem uma capacidade de processamento maior, mas um espaço abstrativo maior para fazer conexões inusitadas.
  6. Quando falamos em inovação, não conseguimos enxergar que determinados problemas pedem um tipo de mente especial.
  7. Holmes tem um tipo de mente que tem maior capacidade de abstração.
  8. Procura-se resolver novos problemas, se utilizando de equipes Incrementadoras e não de um ou mais Disruptores.

Vamos ao Artigo:

“Os avanços que mudam nosso mundo nascem do casamento da genialidade com o acaso.” – Safi Bahcall.

(Do Acervo dos nossos Conceituadores da Inovação Preferidos)

Vivemos hoje o início do Renascimento 2.0 – um dos Macro Ciclos de uma Revolução Civilizacional.

Temos nos Renascimentos Civilizacionais dois tipos de Modificações no Ambiente de Sobrevivência do Sapiens:

  • Quantitativas – um aumento em uma série de atividades do que já fazíamos antes;
  • Qualitativas – o surgimento de atividades que eram impossíveis de realizarmos antes por falta de tecnologias.

Quais são as Modificações Quantitativas no Ambiente de Sobrevivência do Sapiens com a chegada da Civilização 2.0, entre outras?

  • Mais Inovação;
  • Mais Competitividade;
  • Mais Originalidade;
  • Mais Globalização;
  • Maior Participação do Sapiens nos processos e nas decisões;
  • Maior velocidade no ritmo das mudanças.

Quais são as Modificações Qualitativas no Ambiente de Sobrevivência do Sapiens com a chegada da Civilização 2.0, entre outras?

  •  a chegada e massificação de uma nova Mídia Mais Completa, que permite que façamos uma série de atividades que antes eram impossíveis de serem realizadas, tais como o surgimento de um novo Novo Macro Modelo de Cooperação (Uberização e Blockchenização);
  • e o surgimento da Inteligência Artificial, que permite o surgimento de um novo tipo de Mente Artificial para ajudar o Sapiens na sua sobrevivência.

Neste novo cenário, temos um aumento exponencial da Inovação e uma forte demanda pela modificação no Perfil dos Inovadores.

Na Bimodais, criamos a hipótese de que temos Três Tipos de Perfis Inovadores:

  • Incrementador – uma mente menos abstrata, que é mais adequada para implementar mudanças mais incrementais tanto nas tecnologias como nas metodologias;
  • Disruptor – uma mente mais abstrata, que é mais adequada para implementar mudanças mais radicais tanto nas tecnologias como nas metodologias;
  • Mega Disruptor – uma mente muito abstrata, que é mais adequada para implementar mudanças mais disruptivas tanto nas tecnologias como nas metodologias, mas também na filosofia e nas teorias, que acabam por impactar, em algum momento, nas metodologias e tecnologias.

Todos os Perfis Inovadores do Sapiens precisam realizar um upgrade para poder lidar com o novo Ambiente de Sobrevivência 2.0.

Um Incrementador, por exemplo, terá que tornar a Inovação muito mais constante do que era. Bem como, o Disruptor e o Mega Disruptor.

Sherlock Holmes, bem como o Mentalista, analisamos aqui aquela serie, são exemplos típicos do Perfil dos Disruptores.

Patrick Jane e Holmes são pessoas que têm capacidade imaginativa maior que a maioria e que ajudam com a sua capacidade a desvendar crimes incomuns.

Como fazem isso?

Os Disruptores têm a capacidade de unir coisas que não são comumente juntáveis.

Na verdade, nas duas séries, são apresentados crimes incomuns, que não são resolvidos por simples evidências.

Podemos separar a equipe de detetives das séries em dois blocos:

  • o grupo que cuida do levantamento dos fatos;
  • e Patrick Jane e Holmes, que ficam responsáveis por descobrir o que não é tão evidente.

Temos sempre dois tipos de problemas na vida:

  • os Problemas Mais Normais – que pedem Soluções Disruptivas, através do Método Dedutivo para solucioná-los, em geral resolvido por uma pessoa;
  • os Problemas Mais Extraordinários – que pedem soluções incrementais, através do Método Indutivo para solucioná-los, em geral, resolvidos por grupos.

E aí temos uma grande novidade, uma mudança de Paradigmas na Inovação:

  • Problemas Mais Normais podem ser resolvidos com um esforço de grupos;
  • Problemas Mais Extraordinários pedem uma Mente Disruptiva, individual, que pode trabalhar com outras com o mesmo perfil.

Holmes e Jane são chamados sempre para resolver Problemas Mais Extraordinários e nunca Problemas Mais Normais.

Holmes e Jane são chamados sempre para resolver Problemas Mais Extraordinários e nunca Problemas Mais Normais.

O mesmo ocorre nas séries “Unabomber” e “Mindhunter” quando Disruptores conseguem criar novas formas de resolver problemas, que os grupos não conseguiram.

De maneira geral, quando se pensa na Inovação Organizacional, se procura a Inovação Incremental e não a Disruptiva.

A experiência demonstra que, por tendência, Disruptores tendem a ser rejeitados em Ambientes Organizacionais Mais Estabelecidos.

Ambientes Organizacionais Mais Estabelecidosaqueles que já têm rotina, legado e clientes.

Holmes e Jane têm um tipo de mente que tem maior capacidade de abstração.

Isso significa que há em algum lugar na mente deles um espaço para fazer conexões que não são comuns em outras mentes.

De maneira geral, quando falamos em inovação, não conseguimos enxergar que determinados problemas pedem um tipo de mente especial.

Foi um dos problemas que a equipe da série “Unabomber” teve, acreditando que iam chegar no terrorista, via Indução e não Dedução.

Por mais que um grupo possa trabalhar num determinado problema, precisa ter uma Mente Disruptiva dentro dele para chegar em soluções mais originais.

Um Disruptor não tem uma capacidade de processamento maior, mas um espaço abstrato maior para fazer conexões inusitadas.

Neste momento, temos que unir duas vertentes do pensamento, a Epistemologia com a Inovação.

Quando estamos diante de diversos tipos de problemas, é preciso identificar de que tipo estamos enfrentando.

Não é, portanto, a solução que define o problema, mas o problema que define a solução.

Thomas Kuhn (1922-96) no seu recomendável livro “A Estrutura das Revoluções Científicas” se debruça sobre este problema.

Ele nos ensina que:

A tendência das pessoas é sempre encarar os problemas a partir das soluções que estamos acostumados.

Mesmo que as soluções não estejam mais adequadas ao tipo de problema, insistimos em repeti-las.

Temos aí um problema que podemos denominar de Solucionismo Repetitivo.

A incapacidade de superar o Solucionismo Repetitivo explica, por exemplo, um grande enigma da inovação neste novo século.

Um dos enigmas da inovação do novo século: Por que NENHUMA organização tradicional lidera o mercado digital?

As pessoas têm a tendência de não conseguir  compreender que estão diante de novos problemas, que pedem novas soluções.

De maneira geral, se procura resolver TODOS os problemas com o mesmo ferramental de soluções que era usado antes.

Mais ainda.

Procura-se resolver novos problemas, se utilizando de equipes Incrementadoras e não de um ou mais Disruptores.

Pessoas que têm uma Mente Mais Disruptiva são fundamentais para a solução de Problemas Extraordinários.

Problemas Mais Extraordinários pedem Mentes Mais Disruptivas.

Por mais que um grupo com Mentes Mais Incrementadora se esforce, não conseguirá soluções adequadas para um Problema Mais Extraordinário.

O que vemos nas séries o Mentalista e Holmes é justamente um equilíbrio entre uma equipe incrementadora e as mentes disruptivas de Jane e Holmes.

Sem eles, como vemos em alguns capítulos do Mentalista, por exemplo, a taxa de solução de crimes despenca.

A série “O Mentalista” é, claramente, inspirada em Sherlock Holmes, que tem também uma Mente Mais Disruptiva.

Assim, eu ousaria questionar a frase de Einstein.

“A imaginação é mais importante que o conhecimento.” – Einstein.

Diria que a imaginação é mais importante do que o conhecimento, dependendo do tipo de problema que estamos enfrentando.

Para uma cabeça tipo Einstein ou Patrick Jane ou Sherlock Holmes a imaginação é a ferramenta principal para solucionar os Problemas Extraordinários.

Porém, a vida não é feita apenas de Problemas Extraordinários.

Por fim, façamos um Mapa Mental do que a Bimodais modifica, de forma um pouco mais radical ou disruptiva a visão mais comum sobre Inovação:

  • a divisão da inovação em três camadas: Civilizacional, Organizacional e Pessoal;
  • a divisão de Três Perfis Inovadores: Incremental 80% da população), Disruptivo (18%) e Mega Disruptivo (2%);
  • a sugestão, conforme o tipo de Problema (Mais Normal ou Mais Extraordinário) do uso de um determinado Perfil Inovador;
  • a percepção de que é praticamente inviável promover Inovação Disruptiva (que envolve mudanças filosóficas) em Ambientes Estabelecidos;
  • o diagnóstico que vivemos hoje a maior Revolução Civilizacional da história do Sapiens, que permite a introdução de novos Modelos de Cooperação totalmente inéditos na sociedade, filosoficamente disruptivos com os anteriores;
  • a constatação de que todos os Perfis Inovadores precisam promover um upgrade nas suas capacidades diante das Mudanças no Ambiente de Sobrevivência do Sapiens promovidas pela Revolução Civilizacional 2.0.

É isso, que dizes?

Quer sair de Matrix e não sabe onde comprar a pílula vermelha? Me manda um Zap: 21-996086422 (Nepô, quero sair de Matrix!)

Está começando a nona imersão (de janeiro a julho de 2023) – não perca! R$ 700,00 no Pix!

GRIFOS EM NEGRITO: CONCEITOS BIMODAIS

GRIFOS EM NEGRITO: CONCEITOS BIMODAIS, QUE JÁ CONSTAM NO GLOSSÁRIO DO LIVRO “CIÊNCIA DA INOVAÇÃO”, QUE ESTÁ EM DESENVOLVIMENTO E JÁ DISPONÍVEL PARA OS BIMODAIS.

GRIFOS EM ITÁLICO COM PARÁGRAFO RECUADO: FRASES QUE SERÃO USADAS NO NOVO LIVRO E/OU NA DIVULGAÇÃO DOS ARTIGOS.

GRIFOS EM NEGRITO COM AZUL E ROXO: SÃO PARÁGRAFOS, QUE CONTÊM CONCEITOS NOVOS E VÃO SER INCORPORADOS NO GLOSSÁRIO DO LIVRO “CIÊNCIA DA INOVAÇÃO”, QUE ESTÁ EM DESENVOLVIMENTO E JÁ DISPONÍVEL PARA OS BIMODAIS.

GRIFOS EM ITÁLICO E VERMELHO: SÃO PARÁGRAFOS, QUE CONTÊM CONCEITOS ANTIGOS E VÃO SER INCORPORADOS NO GLOSSÁRIO DO LIVRO “CIÊNCIA DA INOVAÇÃO”, QUE ESTÁ EM DESENVOLVIMENTO E JÁ DISPONÍVEL PARA OS BIMODAIS.

GRIFOS EM NEGRITO E VERDE: NEOLOGISMOS BIMODAIS PARA MELHORAR A NARRATIVA E VÃO SER INCORPORADOS NO GLOSSÁRIO DO LIVRO “CIÊNCIA DA INOVAÇÃO”, QUE ESTÁ EM DESENVOLVIMENTO E JÁ DISPONÍVEL PARA OS BIMODAIS.

GRIFOS EM NEGRITO E MARROM: ITENS QUE SERÃO INCLUÍDOS NO NOVO LIVRO “CIÊNCIA DA INOVAÇÃO”, QUE É A NARRATIVA PROGRESSIVA BIMODAL, QUE ESTÁ SENDO EDITADA NO GOOGLE DOCS.

GRIFOS EM NEGRITO E LARANJA: SÃO REGRAS DE CAUSA E EFEITO QUE VÃO SENDO DESCOBERTAS AO LONGO DO NOSSO PROCESSO DE TRABALHO E SÃO INCLUÍDAS NUMA ÁREA ESPECIAL DA NARRATIVA PROGRESSIVA BIMODAL.

GRIFOS EM NEGRITO E ROSA: SÃO AS PROJEÇÕES BIMODAIS E VÃO SER INCORPORADOS EM ALGUM TÓPICO DO LIVRO “CIÊNCIA DA INOVAÇÃO”, QUE ESTÁ EM DESENVOLVIMENTO E JÁ DISPONÍVEL PARA OS BIMODAIS. 

Leave a Reply

WhatsApp chat