Feed on
Posts
Comments

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito por um Chatbox:

O texto do Nepô apresenta sua Metodologia de Leitura, que envolve ler no Kindle da Amazon, marcar trechos do livro com quatro cores diferentes e comentar esses trechos em quatro dias da semana. As novidades incluem uma definição mais clara das cores usadas (Azul para Reforço, Amarelo para Crítica, Rosa para Novidade e Laranja para Frases e Objetivo do Livro) e o salvamento de quatro arquivos distintos no Kindle para comentários separados. Além disso, Nepô menciona uma nova forma de criar Mapas Mentais para agilizar o processo e focar mais no texto.

 

O texto de Nepô aborda a obra “Inteligência Emocional” de Daniel Goleman, destacando a importância das emoções na vida humana e criticando as abordagens tradicionais da psicologia que priorizam a inteligência cognitiva sobre a emocional. Nepô defende uma nova abordagem, a Ciência Social 2.0, focada na inovação e na adaptação às demandas do Sapiens 2.0. Nepô propõe substituir a dicotomia entre razão e emoção pela noção de sabedoria, que abrange o gerenciamento equilibrado do corpo, mente e emoções para uma vida mais adequada.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O Sapiens 2.0 precisa urgente adotar um Modo de Vida, que lhe dê base para poder lidar com mais sabedoria diante do exponencial aumento das escolhas e da informação disponível.
  2. Não é possível entender o “onde estamos e para onde vamos?” sem que possamos entender a atual Revolução da Sobrevivência 2.0 no Pós-Digital!
  3. Desenvolver a Sabedoria não é não ter emoções, mas aprender a gerenciá-las sempre na direção de uma vida menos para uma mais adequada.
  4. Uma vida mais sábia é aquela que tomamos decisões com uma Taxa de Química Emocional adequada a cada situação.
  5. Coloque a sua mente mais criativa sempre no filé e procure formas, também criativas, de automatizar ou terceirizar o osso.
  6. O Sapiens 1.0 foi massacrado pelo incentivo a um Individualismo Tóxico, massificado, voltado para coisas e preocupado com a visão de fora para dentro e não de dentro para fora!
  7. Sabedoria é uma ferramenta humana que gerencia nossa capacidade de lidar com nosso corpo, mente e emoções.
  8. Goleman é defensor de um Sapiens que controla melhor suas emoções (isso é ótimo), mas, como aquela figura dos cegos e do elefante, ele apalpa o rabo, mas não consegue ver o bicho por inteiro.

Os Mapas Mentais do Artigo:

 

Vamos ao Artigo:

“Qualquer um pode zangar-se – isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa – não é fácil.”Aristóteles.

Iniciamos a Bimodalização do livro “Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente” de Daniel Goleman.

Este é o primeiro artigo.

Primeiro parênteses.

Novidades na Metodologia de Leitura

Já faz tempo que eu tenho na minha Metodologia de Leitura:

Sempre lendo pelo Kindle da Amazon;
Marcando trechos do livro sobre aquilo que quero comentar depois nas quatro cores existentes;
Comentando os trechos durante quatro dias da semana.

O que trago de novidade neste artigo?

A definição mais clara das quatro cores Azul (Reforço), Amarelo (Crítica), Rosa (Novidade) e Laranja (Frases e Objetivo do Livro definido pelo autor);
E o salvamento no Kindle de quatro arquivos e não apenas mais um – o que me dá a possibilidade de comentar cada um em separado.

Segundo Parênteses.

Novidades no Mapa Mental

Passei também a utilizar uma nova forma de criar os Mapas Mentais Corriqueiros do artigo para agilizar o processo e me concentrar mais tempo no texto e menos nos mapas.

Frase boa sobre Facilitismo

Estou aqui praticando o Facilitismo, que tem como máxima: coloque a sua mente mais criativa sempre no filé e procure formas, também criativas, de automatizar ou terceirizar o osso.

Entremos no texto.

O livro de Goleman – um clássico escrito em 1995 – entra na Bibliografia Básica pelo tanto que nos ajuda a entender o aspecto e a importância das emoções para uma vida melhor do Sapiens.

Goleman é um dos autores Renascentistas da Inovação Pessoal, que defende:

A importância de nos preocuparmos com as emoções para melhorar nossa qualidade de vida;
Questiona com ênfase às abordagens tradicionais da Psicologia, mais pósventistas do que preventistas;
E em especial a ênfase que é dada na Inteligência (que ele chama de acadêmica ou operacional) e não se destacando a emocional.

Goleman opta por um estilo bem americano de escrita, que inicia todos os capítulos com uma história e depois detalha pesquisas feitas para nos explicar e sugerir formas melhores de lidar com os problemas apresentados.

Os limites da Ciência Social 1.0

O problema de Goleman e de todos os outros autores renascentistas que temos trabalhado são os seguintes:

Todos estão dentro dos Paradigmas Estruturais da Ciência Social 1.0;
Não se consegue dentro da Ciência Social 1.0 enxergar a atual passagem entre duas Civilização (da 1.0 para a 2.0);
Não se entende, por causa disso, as principais e novas demanda do Sapiens 2.0;
Se opera dentro dos limites das Ciências Sociais 1.0;
Por causa disso, se vê uma parte e menos o todo de onde estamos e para onde vamos e o que podemos fazer melhor para ajudar ao Sapiens 2.0.

Diz ele:

“Entre meados de 1970 e meados de 1980, os indicadores de bem-estar entre crianças americanas sofreram um declínio.” // “o tempo “livre” se tornou estruturado e organizado demais. Afinal, a inteligência emocional sempre foi tradicionalmente transmitida nos momentos da vida cotidiana — com os pais e os parentes, e na desordem das brincadeiras livres — que os jovens estão perdendo.”

Por que isso?

Ele diagnostica, mas não explica.

Na nossa visão, o aumento populacional e a massificação das mídias eletrônicas – mais centralizadas – colaboraram para uma crise civilizacional, que tem se estendido até os dias de hoje.

Tivemos o aumento das grandes cidades, crianças que brincavam na rua e aprendiam com outras crianças as malandragens da vida, ficaram, cada vez mais, presas diante da televisão.

Agora, com a chegada da Internet, sem que tenhamos um esforço grande para quebrar o vício nos celulares, o processo continua.

É preciso um grande esforço para criar o novo Modo de Vida 2.0.

Começamos a ter uma saída melhor da Crise Civilizacional 1.0, da seguinte maneira, com a chegada do Digital e da Curadoria:

Novas Alternativas de Fontes de Informação para questionar os Paradigmas Mais Mainstream;
Novas propostas de Modo de Vida Mais Personalizados;
Início das experiências de disseminação destes Modos de Vida Mais Personalizados.

Hoje, com o Digital o Sapiens 2.0 tem mais escolhas e, por causa disso, precisa aumentar a sua Taxa de Responsabilização.

Essa visão mais Macro do atual contexto civilizacional é algo vital para que possamos traçar as estratégias futuras em TODAS as Ciências Sociais, onde se inclui, no caso do Goleman, a Psicologia.

Não é possível entender o “onde estamos e para onde vamos?” sem que possamos entender a atual Revolução da Sobrevivência 2.0 no Pós-Digital!

Por isso, sugiro que tenhamos que dar uma boa rearrumada na Ciência Social na seguinte direção:

Substituir a Ciência Social por Ciência da Inovação ou, se preferirem, Ciência Social 2.0 (com foco na inovação);
Incorporar na Ciência Social 2.0 o tripé do novo Motor da História 2.0 (demografia, novas mídias e novo modelo de sobrevivência) para entender o contexto;
Só depois destes novos Paradigmas voltarmos para as Ciências Sociais Específicas (onde estão a educação e a Psicologia, por exemplo).

Novo Conceito: Individualismo Saudável versus o Tóxico

Diz Goleman:

“Nos países desenvolvidos, a tendência é para um individualismo exacerbado, o que acarreta, consequentemente, uma competitividade cada vez maior.”

Não, Goleman, o problema não é um Individualismo exacerbado, mas um Individualismo Tóxico, um Individualismo Massificado e Não Singularizado – um Individualismo Saudável!

Vejamos a diferença:

Individualismo Saudável – voltado para o desenvolvimento do seu potencial singular, empreendedor, endógeno;
Individualismo Tóxico – sem o desenvolvimento do seu potencial singular, manipulador, exógeno.

O Sapiens 1.0 foi massacrado pelo incentivo a um Individualismo Tóxico, massificado, voltado para coisas e preocupado com a visão de fora para dentro e não de dentro para fora!

Consolidação do conceito Modo de Vida

Todo o esforço renascentista de criar o Modo de Vida 2.0, que estamos assistindo no início da Civilização 2.0 nos leva para a seguinte direção:

Mais Singularização;
Mais Endogenia (visão de dentro para fora e não de fora para dentro);
Melhor gerenciamento dos nossos diferentes Eus (Mentais, Emocionais e Corporais).

Ele diz:

“Essa visão de mundo traz consigo o isolamento e a deterioração das relações sociais.”

Qual visão do mundo?

Repare que é inócuo questionar o Individualismo Tóxico sem sabermos a causa de sua existência e nem as saídas saudáveis e sustentáveis que temos para colocar o Individualismo Saudável no lugar.

Goleman é defensor de um Sapiens que controla melhor suas emoções (isso é ótimo), mas, como aquela figura dos cegos e do elefante, ele apalpa o rabo, mas não consegue ver o elefante inteiro.

O Sapiens 2.0 precisa urgente adotar um Modo de Vida, que lhe dê base para poder lidar com mais sabedoria diante do exponencial aumento das escolhas e da informação disponível.

Em síntese, Goleman como argumento principal é um questionador:

Da visão de que uma pessoa inteligente é aquela que tem potencial cognitivo para exercer um tipo de tarefa;
Ele aposta que todo o potencial humano só pode ser melhor desenvolvido, se houver um grande esforço do gerenciamento das emoções.

Diz ele sobre isso:

“Nos níveis mais altos, os modelos de competência para liderança consistem geralmente em algo em torno de 80% a 100% de habilidades do tipo QE.” // “Identificam seus principais líderes, descobriremos que os indicadores de QI e aptidões técnicas caem para o final da lista quanto mais alto for o cargo. (O QI e as aptidões técnicas são fortes indicadores de excelência em empregos menos qualificados.)”

Vício Dialógico: não usem Inteligência Emocional optem por Sabedoria!

Aqui, entretanto, temos um Vício Dialógico de Dicotomia Inadequada.

Inteligência Emocional faz sucesso? Faz.

Mas ela se contrapõe a que tipo de outra inteligência? A operacional?

Quando Goleman critica o QI (Quoeficiente de Inteligência), sugerindo o QE (Quoeficiente Emocional), a coisa não faz sentido.

Diria que o que estamos falando não é de Inteligência, mas de Sabedoria.

Sabedoria é uma ferramenta humana que gerencia nossa capacidade de lidar com nosso corpo, mente e emoções.

O que Goleman defende, mas não se expressa bem, é o aumento da Taxa de Sabedoria do Sapiens no gerenciamento da sua vida.

Eu, na procura de aumentar a minha Taxa de Sabedoria, preciso:

Aprender e procurar desenvolver os meus potenciais;
Gerenciar melhor meu corpo e minha mente;
E, dentro dos contextos que vivo, as emoções que vão surgindo e precisam ser gerenciadas.

Diga não a falsa dicotomia emoção versus razão!

Temos um problema aqui – e Goleman é um reprodutor do mesmo – da falsa dicotomia entre razão e emoção.

Diz ele:

“Como sabemos por experiência própria, quando se trata de moldar nossas decisões e ações, a emoção pesa tanto — e às vezes muito mais — quanto a razão.”

Temos optado por questionar sempre o conceito de razão e trocá-lo por reflexão.

Por quê?

A falsa dicotomia razão versus emoção nos leva a uma confusão de que existe razão pura, ou razão desemocionada.

Isso é impossível!

O Sapiens está inundado de químicas emocionais e não existe a possibilidade de decidirmos algo com química zero.

Uma vida mais sábia é aquela que tomamos decisões com uma Taxa de Química Emocional adequada a cada situação.

Como nos ensina Aristóteles na sua maravilhosa frase, que abre o artigo:

“Qualquer um pode zangar-se – isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa – não é fácil.”

Desenvolver a Sabedoria não é não ter emoções, mas aprender a gerenciá-las sempre na direção de uma vida menos para uma mais adequada.

E nisso há concordância com o Goleman, quando ele diz:

“Aspectos fundamentais do QE — autoconsciência, autocontrole, consciência social e a habilidade de gerenciar relacionamentos — se traduzem em sucesso profissional.”

Na frase acima, troque QE por Taxa de Sabedoria.

Diz ele:

“Porém o QI cai por terra quando a questão é prognosticar quem, em meio a um grupo talentoso de candidatos dentro de uma profissão intelectualmente exigente, será o melhor líder.”

Diria que o que faz diferença na vida das pessoas é a capacidade que temos de aumentar a nossa Taxa de Sabedoria. Como?

Procurar progressivamente os nossos talentos para colocá-los na vida de forma sustentável;
E gerenciar cada vez melhor nosso corpo, nossa mente e, por consequência, nossas emoções.

Ele aposta:

“Finalmente, imagino um dia em que a inteligência emocional será tão amplamente compreendida que não será preciso mais discuti-la, pois ela já terá se fundido às nossas vidas.”

Aqui temos o reforço do que ficou mais claro na semana passada.

Papo Ikigai

Quando vemos uma vila no Japão que tem o Ikigai como um Modo de Vida, fica claro do que estamos falando.

O Ikigai é um Modo de Vida, que é baseado em sugestões de Sabedoria Mais Fortes e por isso:

Gera tanto um aumento na Taxa de Felicidade;
Como um aumento na Taxa de longevidade.

Porém, aquelas vilas japonesas que abraçaram o Modo de Vida Ikigai, até o momento, não tiveram:

Variação Demográfica;
Variação Midiática;
O que permitiu a continuidade da difusão do Modo de Vida.

O que falta a Goleman – e aos psicólogos renascentistas – é compreender que a Taxa de Qualidade do Modo de Vida do Sapiens tem variações no tempo da seguinte maneira:

Centralização dos Ambientes de Sobrevivência por qualquer motivo;
Aumentos populacionais, que nos levam, no primeiro momento, ao aumento da Centralização dos Ambientes de Sobrevivência até que possamos criar e massificar mídias descentralizadoras.

No passado, já tivemos o aumento da Taxa da Sabedoria, como temos em regiões isoladas.

O que precisamos agora é produzir um esforço para dentro do atual cenário da Civilização 2.0, com oito bilhões de Sapiens (e aumentando) de sair de e ir para:

Sair e questionar o Modo de Vida 1.0 mais pasteurizador, exógeno, coisitivista e instagrante;
Para a difusão do Modo de Vida 2.0, mais singularizador, endógeno, sensibilista e empreendedor.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Bem vindo à Bimodais – estudamos a nova Ciência da Inovação, que se divide em Inovação Civilizacional, Grupal e Pessoal.

Estamos mais focados em 2024 na Inovação Pessoal.

Estamos entrando na Décima Primeira Imersão (de maio a junho de 2024.)

Valor: R$ 200,00, no pix.

Bora?

Quer doar e ganhar quatro aulas de aula gravada?

Por aqui:
https://chk.eduzz.com/2358389

Mais dúvidas?

Me pergunta….

Abraços,
Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

Leave a Reply

WhatsApp chat