Feed on
Posts
Comments

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a continuação da bimodalização do livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri. São explorados conceitos como hábitos, classificados em mais conscientes e mais inconscientes, e a importância de revisá-los constantemente para uma melhor qualidade de vida. Discute-se também a adaptação hedônica, que se refere à tendência das pessoas se acostumarem com mudanças em suas circunstâncias de vida, e a relação entre dinheiro, felicidade e a busca por prazeres de curto prazo. O texto destaca a importância de adotar uma abordagem mais sensibilista e endogenista para alcançar uma vida mais equilibrada e feliz, sugerindo práticas como o exercício da gratidão e a reflexão sobre os verdadeiros objetivos de vida.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. De maneira geral, uma pessoa que tem uma qualidade de vida pior, não reflete e modifica constantemente seus hábitos.
  2. Note que hoje temos muitas rotinas preventivas na sociedade da melhoria do cuidado com a saúde corporal e agora precisamos ter algo parecido na saúde mental.
  3. O objetivo de um Projeto de Felicidade Mais Forte é tirar, cada vez mais, a pessoa de um Modus Carrossel e colocá-la no Modus Espiral.
  4. Coisas são meios para que possamos gerar Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar, mas não o seu fim.
  5. Quando passamos a usar mais a Mente Secundária, por tendência, passamos a revisar com muito mais frequência nossos hábitos.
  6. Todos nós temos Projetos de Felicidade, sejam eles mais ou menos conscientes, mais ou menos fortes!
  7. O que vamos observar é que a síntese de toda a conversa sobre Felicidade se resume ao Gerenciamento Químico das nossas Emoções.
  8. Depois de determinado patamar em que os boletos estão sendo pagos, o dinheiro passa a ser, como deve ser, apenas um meio para que possamos gerar os Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Emoções positivas funcionam como uma “musculação” para o cérebro, deixando – o cada dia mais forte.”Gaziri.

Vamos dar continuidade à Bimodalização do livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri.

Este é o quarto e último artigo.

Primeiro Parênteses.

Quando resolvemos abordar um determinado fenômeno, não basta dizer que eu acho isso e aquilo sobre ele, que se deve fazer isso e aquilo diante dele.

Tem um trabalho metódico – e muitas vezes chato – de que é preciso ir classificando os conceitos para que se possa separar bem e evitar confusão entre eles.

Esta preocupação faz parte das atividades de um Conceituador de Excelência.

Segundo Parênteses.

Quando falamos em hábitos:

“Hábitos são padrões de comportamento automáticos e repetitivos que são adquiridos por meio da repetição regular de uma ação. Eles são formados quando uma atividade é realizada repetidamente em uma determinada situação ou contexto, levando à formação de associações mentais entre o estímulo (situação ou contexto) e a resposta (a ação realizada).”, segundo o Tio Chatinho.

Podemos, entretanto, definir diferentes tipos de hábitos, que vamos incorporando à nossa vida.

Primeira divisão é a de Hábitos:

Mais Conscientes – aqueles que adotamos depois de uma reflexão, a partir de problemas que tivemos com os antigos;
Mais Inconscientes – aqueles que adotamos sem muita reflexão.

De maneira geral uma pessoa que tem uma qualidade de vida pior:

Não revisa e modifica constantemente seus hábitos;
E os hábitos não são guiados por um Projeto de Felicidade Mais Forte, deixando, assim, que a Mente Primária exerça uma influência maior na sua vida, não adotando, assim, Princípios e Condutas mais consistentes.

Quando passamos a usar mais a Mente Secundária, por tendência, passamos a revisar com muito mais frequência nossos hábitos.

Quando pensamos em Hábitos Mais Conscientes, podemos ter, até o momento, a seguinte divisão:

Hábitos Corriqueiros – aqueles que usamos no dia a dia e podemos estar o tempo todo reavaliando se podem ser melhorados, tal como qual a forma que você cuida das tuas plantas;
Hábitos Mandamento – uma série de regras e normas que vão sendo criadas para evitar que determinados problemas mais graves não se repitam, tal como: quando for dormir fora de casa não esquecer de desligar o gás;
Hábitos Rituais Rivotril – são aqueles que criam determinadas rotinas que estão diretamente ligadas ao estímulo de Sentimentos Positivos, a partir de sugestões de Guias de Felicidade, tal como “no final do dia, lembre de cinco momentos especiais que ocorreram hoje”.

Podemos chamar, assim, os hábitos que estão diretamente ligados a um PFMF de Rituais Rivotril.

Um Ritual Rivotril – é aquele que cria determinadas rotinas conscientes e propositais que estão diretamente ligadas ao estímulo de Sentimentos Positivos, a partir de sugestões de Guias de Felicidade.

Exemplos de Rituais Rivotril diários, que eu tenho adotado:

Agradecer e perdoar;
Jogar algo fora;
Listar cinco coisas que você destaca como as melhores a cada dia;
Ter um caderno de crise e um de escritos para todo tipo de reflexões.

Note que hoje temos muitas rotinas preventivas na sociedade da melhoria do cuidado com a saúde corporal e agora precisamos ter algo parecido na saúde mental.

Essa é a proposta dos Conceituadores da Inovação Pessoal (que aparecem como Conceituadores de Felicidade, Psicologia Positiva, entre outras nomenclaturas.)

Terceiro Parênteses.

Podemos melhorar ainda o conceito dos Princípios.

Temos num GFMF dois tipos de Princípios, que vão guiar nossas Condutas:

Os Princípios Exógenos – aqueles que guiam a minha relação com os outros;
Os Princípios Endógenos – aqueles que guiam a minha relação comigo mesmo.

Vejamos a separação entre os Princípios Exógenos e os Princípios Endógenos no GFB 2.0:

Princípios Exógenos – o Honestismo, o Empatismo e o Gentilismo;
Princípios Endógenos – Coragismo, Aprendismo, Minimalismo, Disciplinismo, Foquismo e o Empreendedorismo.

Tais Princípios são as referências para que possamos criar nossos Hábitos.

Voltemos ao texto.

Gaziri defende um conceito denominado “adaptação hedônica” definida assim pelo Tio Chatinho:

“A adaptação hedônica é um fenômeno psicológico pelo qual as pessoas tendem a se acostumar com mudanças em suas circunstâncias de vida, tanto positivas quanto negativas, retornando gradualmente ao seu nível de felicidade anterior. Em outras palavras, as pessoas têm uma tendência natural a se adaptar a novas situações ao longo do tempo, o que pode diminuir a intensidade do impacto dessas situações em seu bem-estar emocional.”

O termo vem do hedonismo.

O hedonismo é uma prática que nos leva à procura contínua e sem fim das Emoções de Curto Prazo como o foco principal de um Projeto de Felicidade.

A adaptação hedônica nos leva a uma espécie de looping na confusão entre o meio e o fim, baseado num PF Mais Coisitivista e Mais Exógena.

No Hedonismo passo a focar o meu Projeto de Felicidade em coisas e ter como referência os outros.

E quanto mais coisas eu tenho, mais eu preciso ter, como se fosse um vício como outro qualquer.

A adaptação hedônica ocorre, assim, em Projetos de Felicidade Mais Coisititivas, Mais Exogenistas e com Métricas sempre de curto prazo, baseadas muito mais em prazeres do que em gratificações de médio e longo prazo.

Temos, por outro lado, em Projetos de Felicidade Mais Fortes escolhas Mais Sensibilistas, Mais Endogenistas e dando importância a gratificações mais de longo prazo.

Diz ele e já entrando na questão de dinheiro e posses:

“Pessoas que valorizam demasiadamente o sucesso financeiro são as que reportam mais insatisfação com as suas vidas, além de sofrerem mais de depressão, ansiedade e estresse.”

Repare que podemos Bimodalizar a frase da seguinte maneira:

Pessoas que adotam seu PF baseado mais em coisas do que em sensações reportam mais insatisfação com as suas vidas, além de sofrerem mais de depressão, ansiedade e estresse.

Diz ele:

“Ao supervalorizarem dinheiro, roupas, carros ou jóias, elas acabam se adaptando cada vez mais rápido a esses bens, e assim passam a precisar de mais bens para alcançar os seus níveis normais de felicidade – algo denominado pelos psicólogos de esteira hedônica.”

O problema é que a pessoa perde a noção do que é meio e do que é fim.

O que vamos observar é que a síntese de toda a conversa sobre Felicidade se resume ao Gerenciamento Químico das nossas Emoções.

Uma pessoa viciada em prazeres de curto prazo – seja ele qual for – entra em um modus carrossel e não no modus espiral, pois não consegue substituir a Emoção Química de curto para uma de longo.
Vejamos a diferença:

Modus Carrossel – minha vida é uma eterna repetição com muito pouca reflexão sobre a minha forma de agir e pensar;
Modus Espiral – minha vida passa a ser um processo constante de inovação com muita reflexão à procura de melhores formas de agir e pensar.

O objetivo de um Projeto de Felicidade Mais Forte é tirar, cada vez mais, a pessoa de um Modus Carrossel e colocá-la no Modus Espiral.

No Modus Espiral, passo a usar com muito mais frequência a minha Mente Secundária.

Prazeres de curto prazo nos levam ao Modus Carrossel e não são suficientes para que nosso equilíbrio químico se estabilize, criando uma rotina que nos leva cada vez mais para baixo.

Coisas são meios para que possamos gerar Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar, mas não o seu fim.

Uma vida melhor é aquela que os Sentimentos Positivos não são viciantes.

Quando falamos em dinheiro, temos que entender o seu papel como meio e não como um fim em si mesmo.

O dinheiro, com certeza, tem que ser o suficiente para pagar os boletos – se não o caos está estabelecido.

Diz ele, reforçando esta ideia:

“A insegurança financeira gera severas consequências psicológicas (…) sendo a principal fonte de estresse.”

(Diria que mais do que o dinheiro, ou além dele, é a saúde da pessoa ou de entes queridos próximos.)

Porém, podemos dizer que:

Depois de determinado patamar em que os boletos estão sendo pagos, o dinheiro passa a ser, como deve ser, apenas um meio para que possamos gerar os Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar.

Diz ele:

“O dinheiro e a felicidade crescem juntos até certo limite.”

Gaziri sugere um exercício que já vi em outros Conceituadores da Felicidade, que é o exercício de se colocar, de forma hipotética, dentro do seu futuro funeral.

É, sem dúvida, um bom exercício para definir que tipo de projeto de Felicidade você quer abraçar e, na sequência, começar a jornada de pesquisa dos seus Potenciais Singulares.

E para quem já está na jornada do seu PFMF, isso talvez possa ser um bom ritual/hábito a ser feito anualmente, talvez perto do seu aniversário, ou no final do ano.

Ele sugere o seguinte exercício:

“Todas as pessoas importantes que passaram pela sua vida vieram lhe prestar as suas últimas homenagens . O que você quer que elas lembrem a seu respeito no seu funeral? Se alguém discursasse sobre você nesse momento, o que gostaria que ela falasse? No dia da minha morte , quero ser lembrado por : ____________ Então, agora que você redefiniu o que é sucesso e definiu por quais comportamentos quer ser lembrado pelos demais , enumere quais são os seus verdadeiros objetivos de vida . Os meus principais objetivos de vida são:”

Papo do Caderno.

Um dos Rituais Rivotril que o GFB 2.0 sugere é termos um caderno, chamado Diário de Bordo – um de Crise e outro para o cotidiano.

A ideia é reforçada por Gaziri:

“Em um segundo estudo, em vez de escrever uma vez por semana sobre as suas gratidões , irritações ou comparações sociais, os participantes deveriam fazê-lo todos os dias. O resultado: ao analisar as variáveis, em comparação com o primeiro estudo, os cientistas descobriram que houve uma diferença significativa e ainda maior na relação entre as emoções positivas e negativas reportadas pelos participantes nas condições de gratidão e irritação.”

Outro Ritual Rivotril que ele sugere – e eu adotei – é o de, ao final do dia, listar cinco acontecimentos top. Diz ele:

“No Caderno de gratidão, no qual todas as noites, antes de dormir, você escreverá cinco fatos do seu dia pelos quais é grato. Esse exercício fará com que você passe a prestar mais atenção aos pequenos momentos da sua vida – como uma deliciosa refeição, um abraço do seu filho, um belo pôr do sol, uma conversa com o seu melhor amigo – e a apreciá-los novamente. Dessa forma, você irá reprogramar o seu cérebro para ter prazer mesmo com acontecimentos mundanos, que já não produziam mais efeito na sua felicidade. Adicionalmente , o caderno de gratidão força o seu cérebro a lembrar dos aspectos positivos da sua vida, o que ativa a produção de serotonina, um neurotransmissor responsável pelo aumento da motivação, força de vontade e humor. E para aqueles que acreditam que a felicidade é o resultado do alcance de um objetivo, a gratidão torna – se ainda mais positiva por nos levar a sermos felizes no presente, o que reduz nossa ansiedade.”

Temos aqui o reforço da produção do Rivotril Orgânico.

Quando eu coloco os cinco momentos tops do dia, reflito, além do meu esforço, quem mais me ajudou para que ele fosse possível.

Isso aumenta minha Taxa de Empatismo e me torna mais observador sobre como a minha vida não está tão ruim, ao contrário, como tem andado cada vez melhor.

Gaziri reflete sobre o exercício da Gratidão, no que chamamos Empatismo:

“Ser grato também é importante para conscientizá-lo de quantas coisas boas você já tem , assim sua satisfação com a vida aumenta. Quando o seu foco é viver acumulando bens e dinheiro , naturalmente você acaba se esquecendo daquilo que já possui, tornando-se um eterno insatisfeito para quem o consumismo é uma válvula de escape a essa frustração.”

E complementa:

“O pesquisador Glenn Fox, da Universidade do Sul da Califórnia, e seus colegas descobriram em um estudo similar que pessoas instruídas a sentir gratidão apresentam atividades cerebrais em áreas relacionadas à empatia, a entender a perspectiva dos outros e a sentimentos de alívio, o que sinaliza que ter gratidão pelos outros ajuda no relaxamento do corpo e na redução do estresse.”

É isso, que dizes?

 

 

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

Leave a Reply

WhatsApp chat