Feed on
Posts
Comments

Toda vez que aumentarmos a população as relações trabalhistas terão que ser flexibilizadas, mais dia, menos dia.

O Sapiens é a única espécie do planeta que vive sob a égide da Complexidade Demográfica Progressiva.

O aumento gradual da complexidade demográfica nos leva a precisar flexibilizar as relações de trocas (informacionais, de produtos e serviços).

O aumento da complexidade demográfica exige decisões cada vez mais eficazes, rápidas e melhores.

Assim como no final da Idade Média e da chegada de prensa (1450), tivemos o início do fim da escravidão, vivemos agora o início do fim da carteira assinada.

A uberização já é a primeira etapa da nova forma mais flexível de relações trabalhistas da Civilização 2.0.

Pessoas mais ligadas aos sindicatos, dizem que a uberização é a precarização do trabalho.

Porém, na uberização cada prestador de serviço é avaliado o tempo todo pelo cliente, melhorando a qualidade do serviço de baixo para cima.

O grande objetivo da Civilização 2.0 é criar novo Macro Modelo de Sobrevivência que garanta qualidade na quantidade e quantidade com qualidade.

Assim, nas Zonas de Atração que vão sendo criadas veremos cada vez mais flexibilização do trabalho e menos carteiras assinadas.

Os prestadores de serviços da Civilização 2.0 terão que se ver como startups, com muito mais independência.

O fim da carteira assinada vai beneficiar principalmente o consumidor, que consegue com a uberização pagar menos e ter mais qualidade.

Haverá muita resistência contra o fim da carteira assinada, mas, como nos mostra a história, tudo que nos ajuda a sobreviver melhor, sempre prevalece.

É isso, que dizes?

Quer ser um Futurista Competitivo Bimodal?

Me mande um zap: 21996086422

“Nepô, quero ser bimodal!”

Leave a Reply

WhatsApp chat