Feed on
Posts
Comments

Tudo que altera de alguma forma (mesmo que não seja tão radical) com o mercado, com a sociedade, principalmente com o consumidor deve ser analisado, debatido e ser incluído como projeto estratégico.

Quando a estratégia é ineficaz, não tem gênio que consiga ajeitar a tática – Nepôda safra 2011;

(Texto de quinta publicado hoje, estou indo para SP e atolado de atividades.)

(Complemento, assim, o post passado.)

Ok, já disse isso de várias maneiras, mas podemos ser mais diretos:

Implantar redes sociais nas empresas é algo estratégico e não operacional.

Motivos?

O be-á-bá do planejamento estratégico para Dummies:

Tudo que altera de alguma forma (mesmo que não seja tão radical) com o mercado, com a sociedade, principalmente com o consumidor deve ser analisado, debatido e virar projeto estratégico.

Estou certo?

Mas parece que a ficha demora (muito) a cair por aí!

A maior insanidade da gestão moderna é não incluir a discussão sobre as mudanças em curso, em função do novo ambiente informacional-comunicacional, no mercado e consumidores no planejamento estratégico.

Pergunte a qualquer executivo:

A Internet é algo que tem mudado o mercado, coisas no mundo e, por consequência, o consumidor?

Ele dirá que sim.

Pergunte ao mesmo executivo.

O que você tem feito do ponto de vista estratégico para alinhar esse movimento a sua empresa?

E ele vai responder: quase nada.

Sabem os motivos?

Medo, dificuldade de mudar, falta de tempo, gente que possa dizer isso de forma mais clara e direta.

Os gurus de plantão, na sua maioria, são operacionais, americanos (com a mentalidade de vamos aprendendo fazendo), precisam vender livros aos montes, têm uma carteira de clientes e não quer perder.

Seguem uma linha de continuidade e não de ruptura, o mesmo posso dizer das grandes agências de comunicação, das empresas de consultoria renomadas.

É fato?

Infelizmente, sim, é fato.

Ou seja, muita gente fala o que o mercado quer ouvir.

E para as pessoas operacionais e não para os estrategistas.

Os operacionais aceitam tudo, pois precisam de receita de bolo, são convencidos sem muita lógica.

Os estratégicos precisam entender o processo, perceber suas nuances, motivações, resultados e medições para fazer o seu trabalho.

É um velho filme de queda do avião.

Fulano tinha que ter apertado o parafuso, não o fez, pois foi tomar café mais tempo. Aí venho uma tempestade mais forte e o piloto, naquela hora, estava no banheiro com problemas estomacais…

As empresas hoje cada vez mais investem menos em estratégia de longo prazo, pois o mercado competitivo exige olhar mais para o concorrente do que para o futuro.

Entretanto, temos aí um risco enorme diante de rupturas como a atual!

Gurus, assim, dão aquilo que o mercado acha que precisa.

Mas é hora de começar a dar aquilo que o mercado não quer ouvir.

Tentar chegar nos poucos que podem perceber que implantar projetos colaborativos é um rompimento radical com o modelo mental, afetivo, operacional, de controle, espiritual, e todos os “als” que queira colocar nas empresas atuais.

Vivemos tempos diferentes, pouco comuns e temos que escutar coisas dolorosas.

Se sua empresa não mudar radicalmente, começar a operar em outro paradigma de gestão, o jardim das oportunidades (que está agora por aí) vai murchar, outros vão plantar, e vais colher cada vez mais riscos!

Que dizes?

4 Responses to “Implantar redes sociais nas empresas é algo estratégico e não operacional”

  1. Tatiana disse:

    Excelente post, compartilhando com meus companheiros executivos agora!

Leave a Reply

WhatsApp chat