Feed on
Posts
Comments

Estive ontem no SAP fórum, convidado gentilmente pela empresa como Influenciador Digital.

Muito se fala de futuro neste tipo de evento, mas a maior parte das organizações que está ali tende a se agarrar radicalmente ao passado.

Racionalmente, todo mundo sabe que é preciso mudar, bate palma, mas emocionalmente…adia o problema sempre para a semana seguinte!

Ao se conversar com muitas pessoas ao longo do evento e pelas perguntas feitas nas palestras, observamos profunda crise de mentalidade.

  • Temos hoje  mentalidade repetidora, que precisa migrar para inovadora;
  • Cadeia de comando vertical, que migra para horizontal.
  • E decisões centralizadas que devem passar à distribuídas.

Vivemos hoje algo muito disruptivo em velocidade acelerada.

É, sem dúvida, a maior ruptura organizacional já vista, desde que começamos a brincar de sociedade moderna.

Podemos diagnosticar o fenômeno da seguinte forma:

Passagem disruptiva e acelerada em mentalidade profunda, que precisa se alterar em curto espaço de tempo para manter empresas competitivas.

Apesar disso, o esforço tem sido muito mais em tecnologia do que em psicologia.

O que fazer?

Sugiro apelar para uma velha amiga do Sapiens: a filosofia.

Filosofia adora e tem experiência em crises de mentalidade.

Quando meus alunos e clientes passam a entender o por quê da mudança e que ela é irreversível, a resistência, acreditem, fica muito menor.

Vou chamar tal abordagem, para brincar com Design Thinking, de “Philosophy Thinking”, ou no português, a prática do Pensamento Filosófico, que pretende ser atividade a mais para ajudar a superar a atual crise das mentalidades.

O  Philosophy Thinking visa não se perder das questões centrais::

  • Por que estamos mudando tanto de forma tão rápida?
  • Quais são as macrotendências, a partir de fenômenos similares do passado?
  • O que precisamos superar, de fato, na atual mentalidade?
  • Qual a melhor forma de fazer isso?

Acredito ser método mais rápido, barato e eficaz para promover upgrade: primeiro na forma de pensar e, só então, na de agir, reduzindo resistências.

Não se iluda, portanto:

  • Não haverá transformação digital conduzida por mentalidade analógica;
  • E não vamos superar crises de mentalidade sem doses cavalares de pensamento filosófico, pelo menos, três vezes ao dia.

É isso, que dizes?

Este texto em áudio:
https://youtu.be/CEvpLQhLiLo

Leave a Reply